Superlotação de cemitérios exige novas alternativas de sepultamento

Texto: Beatriz Santini (beatrizfsantini@gmail.com)
Fotos: Malena Wilbert (malenawilbert@gmail.com)

foto_capa

O momento da morte de um ente querido nunca é fácil, e a situação pode ficar ainda pior com a atual situação dos cemitérios de Florianópolis. Os 13 cemitérios públicos da cidade estão lotados, e os projetos para ampliação ainda não saíram do papel.

DSC_0337A cada dia,  aproximadamente seis pessoas morrem na cidade. São 2300 por ano. Por fatores culturais e religiosos, o mais comum é a escolha da família pelo sepultamento tradicional: velório e enterro do corpo. Na cidade, apenas 11% dos corpos são cremados. Pode parecer pouco, mas isso já é mais de sete vezes a taxa brasileira (1,5%).

O cemitério São Francisco de Assis, no Itacorubi, é o maior da cidade. São 18 mil jazigos contruídos. Desses, 14 mil são perpétuos, ou seja, são para o uso de determinadas famílias. Os outros são reservados para óbitos de pessoas que não possuem nenhuma concessão.

Por conta da superlotação, a Secretaria de Serviços Públicos está fazendo um levantamento e averiguando quais jazigos estão abandonados, ou sem novos corpos há mais de 4 anos, para oferecer novas vagas à população.

Outra saída para o problema seria a ampliação das áreas existentes mas, desde 2006,o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) impede a instalação de novos cemitérios horizontais. 

Já existe um projeto de ampliação do Cemitério, que prevê a construção de 300 novas gavetas verticais – como exige o Conama – e está sendo analisado pela SESP (Secretaria de Serviços Públicos). Esse processo de verticalização dos cemitérios é uma nova tendência, como explica o Secretário de Serviços Públicos Aldo Sebatião Lopes. “Além da questão do espaço, existe a questão ambiental. O modelo de hoje (dos jazigos) não é adequado e não oferece segurança ambiental. Então não devemos ampliar esse tipo de equipamento público. O impacto ambiental é muito grande.”

[widgetkit id=10670]

O subsolo das regiões dos cemitérios pode ser contaminado pela alta quantidade de carga biológica, como bactérias e vírus, e pode acarretar em transmissão de doenças, contaminação de áreas próximas e até dos lençóis freáticos.

A opção da cremação também é ecologicamente mais correta. No entanto, em Florianópolis não há um crematório, o mais próximo fica em Balneário Camboriú. Também existem estudos para  a implantação de um crematório municipal, mas ainda não foi definido se será anexo às capelas do São Francisco de Assis ou em um terreno no bairro de Cacupé. O projeto de criação de um crematório municipal atualmente está parado na Câmara de Vereadores aguardando análise e votação.

 

Designers italianos pensam em nova solução para sepultamento

 

885424_391146150992466_1320987921_o

biodegradable-burial-pod-memory-forest-capsula-mundi-4Pensando na ideia de “ciclo da vida”, dois designers italianos,  Anna Citelli e Raoul Bretzel, criaram uma opção fora do convencional. O projeto “The capsula mundi” consiste na ideia de colocar os corpos em cápsulas orgânicas biodegradáveis, que se transformariam em nutrientes para novas árvores.

Com a intenção de oferecer uma alternativa ecologicamente sustentável, os cemitérios virariam florestas. Em vida, a pessoa poderia escolher a espécie de árvore favorita. E então, quando morresse, seu corpo seria enterrado em uma grande cápsula e envolto com as raízes da árvore escolhida. Os restos mortais serviriam de fonte para o crescimento da nova planta.

Segundo os autores, cada árvore manteria viva a memória de alguém que se foi. No entanto, a Itália além da tradição religiosa, possui leis bem severas quanto aos sepultamentos, e, por isso, o projeto ainda é apenas um protótipo.

E você? Gostaria de ser enterrado dando vida a uma árvore?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.