Shana, a filha Clara e a galinha Preta em Florianópolis, em agosto de 2021 (Foto: Paula Roselini)

A alma de um lar: mãe solo e professora de inglês, Shana Schröder conquista admiradores com dicas de decoração

Reportagem por Beatriz Rohde

O que faz de uma casa um lar? Para Shana Schröder, a decoração deve refletir a alma dos moradores. E na casa dela, o que não falta é personalidade. Em menos de um ano, Shana conquistou mais de 26 mil seguidores no Instagram compartilhando sua experiência com a reforma da “Casa Verde”. Ali morou de aluguel por dois anos na Barra da Lagoa, em Florianópolis, com a filha Clara, de oito anos, e Preta, a inusitada galinha de estimação.

Aos 35 anos, Shana trabalha três turnos como professora de inglês e passou a dar aulas somente de casa com a pandemia. Mesmo com a intensa rotina, não se conformou em encarar todo dia as mesmas paredes brancas, resolveu botar a mão na massa e transformar a casa alugada em um lar de verdade. Quando começou a postar a transformação dos espaços em seu perfil do Instagram (@acasaverde65), ela já imaginava que atrairia seguidores, apelidados de “casaverders”. “As pessoas adoram ver o antes e depois, ainda mais quando é com cores e propostas diferentes do que se costuma ver no Brasil”, explica. 

Antes e depois da cozinha da Casa Verde. Foto: Shana Schröder.a
Antes e depois da cozinha da Casa Verde. Foto: Shana Schröder.

Ela defende que um lar precisa ter “cara de casa”, ou seja, uma decoração aconchegante, com pouco brilho ou luz artificial. “Eu gosto de casa que não parece clínica. Tá muito uma vibe no Brasil de casa com parede 3D, mármore por tudo, com muita luz. Meu estilo seria o oposto, algo que seja elegante, com iluminação feita só através de abajur e luminária, e não de LED”. Shana também reformou ambientes para alguns amigos, porém esclarece que não pretende seguir no ramo da decoração profissionalmente. A dificuldade de lidar com a expectativa das pessoas e de reformar em um estilo diferente do seu impede que o talento se torne mais do que um hobby

Sua irmã, Dinara, conta que Shana sempre teve interesse por decoração. As duas costumavam colar páginas de revista nas paredes do quarto que dividiam na casa da família, no município de Novo Machado, no interior do Rio Grande do Sul. “Desde pequena a gente sempre mudava o quarto, tinha pôster até no teto. Mas nunca foi algo que ela cogitou trabalhar, então foi uma surpresa”, lembra Dinara. Antes de dormir, Shana imaginava a casa que faria se ganhasse na loteria, e sonhava com os quartos de seriados americanos dos anos 1990, como Três É Demais, Blossom e Clarissa Sabe Tudo

Todo ano, ela encara uma viagem de 19 horas de ônibus para visitar os pais em Novo Machado, a quase mil quilômetros de Florianópolis. A residência onde cresceu com os três irmãos mais novos é antiga, simples e feita de madeira. Shana relata que não tinha dinheiro para decorar do jeito que gostaria quando era adolescente, e até seus dez anos de idade, a casa sequer tinha banheiro. 

Na Casa Verde, pôde realizar o sonho de morar em um lugar com a sua cara. Shana pretendia passar mais de dez anos ali e não via razão para pagar aluguel caro em um imóvel “sem nenhuma personalidade”. A maior mudança da reforma foi a cozinha, que chegou a ser destruída para a renovação. Adepta da prática “do it yourself” (faça você mesmo), Shana deu vida aos cômodos com cores, quadros e luminárias, e transformou o quarto da filha em um ambiente lúdico para abrigar sua infância. 

Clara lendo um livro infantil em seu quarto na Casa Verde, em junho de 2021. Foto: Shana Schröder.

Única filha, sobrinha e neta da família, Clara encontra companhia em Preta, sua galinha de estimação. Shana não deixava a menina ter pets em casa, mas Preta conquistou o coração da família. Foi o avô de Clara que lhe deu a galinha para brincar durante sua visita a Novo Machado em 2020. Na hora de ir embora, porém, a menina insistiu em levar Preta para Floripa e a mãe aceitou, afinal, tinham jardim em casa.

Cuidar de uma galinha, contudo, não é tarefa fácil. Shana conta que o animal faz cocô o tempo todo e vive tirando a terra dos vasos de flores. Ainda por cima, Preta é mimada e só dorme dentro de casa. A ave já viajou com a família para São Paulo e recentemente ficou hospedada em um hotel no Rio Grande do Sul. Durante a estadia em Novo Machado esse ano, Clara adotou outra galinha, chamada Lola. Porém, parece que Lola não se deu bem com Preta e não vai se mudar para Florianópolis. 

Clara e Preta, sua fiel companheira, em agosto de 2021. Foto: Paula Roselini.

Shana teve a filha aos 27 anos e a gravidez não foi planejada. O pai de Clara, que é inglês e mora na Inglaterra, não ajuda na criação e tem pouco contato com a menina. Shana explica que não tem uma rede de apoio e se acostumou a fazer tudo sozinha. Quando é necessário, deixa a filha com a irmã Dinara, que também mora em Florianópolis. Para Shana, o início da maternidade foi duro, não tinha dinheiro para uma creche particular e não sabia realmente como era ter uma criança. “Ninguém faz curso sobre isso. As pessoas acham que você só nasce sabendo e é muito difícil”, reflete. Mesmo assim, acredita que as coisas melhoraram com o tempo e vontade. “Foi ruim porque ninguém quer engravidar e ser mãe solo, mas depois isso mudou completamente. Hoje eu sou muito feliz e não tem nada que eu gostaria que fosse diferente”. 

Ela se orgulha de ter ensinado inglês para a menina, que é fluente aos oito anos de idade. Clara puxou da mãe o interesse por idiomas e está fazendo aula de russo. No Instagram, Shana defende que falar inglês e outras línguas é como ter um superpoder, porque diminui barreiras e abre caminhos na vida. A filha aprendeu a língua inglesa através de jogos e brincadeiras em casa, e Shana compartilha na internet dicas para pais que também querem ensinar seus filhos. 

 “Shana tem bastante visão e conhece um pouco de tudo, tá sempre descobrindo coisas novas e buscando se informar”, comenta Sarah Anjos, que teve aulas de inglês com ela durante três anos e se tornou sua amiga. Sarah observa que, para a professora, é importante viajar e ser “rica de cultura”. 

As viagens com Clara são muito especiais para Shana. Mãe e filha já visitaram a Colômbia, a Argentina e vários países da Europa. “Minha concepção de sucesso é conhecer culturas novas, saber respeitar as pessoas, entender o que é o mundo”, afirma. Sua vontade de desbravar o mundo não é de hoje. Dinara lembra que a irmã “sempre quis sair de casa e viajar, só que naquela época a gente nem sonhava porque, imagina, filha de borracheiro querendo ir para a Europa”. Agora que conquistou as oportunidades com seu estudo e trabalho, Shana quer aproveitar ao máximo. “Sair de um lugar onde eu não via nada e começar a ver tudo é de cair lágrimas dos olhos”, escreveu ela em seu Instagram. 

Shana e a filha Clara em Paris, França, em dezembro de 2018. Foto: Shana Schröder.

Dinara também explica que Shana valoriza “estar bem”. Ela investe na decoração para tornar sua casa confortável e prefere usar o dinheiro com viagens a comprar um carro. Para ela, não faz sentido gastar com um automóvel para se deslocar ao trabalho. “Como assim eu vou comprar um carro para ir trabalhar, se eu vou trabalhar para comprar um carro? Assim, minha vida se resumiria ao meu trabalho”, argumenta.

Seu estilo de vida mudou com a pandemia e ela não pensa em voltar a trabalhar de forma presencial porque se adaptou bem ao home office. Shana aproveita o período de isolamento para dar aulas online e trabalhar muito, o que permite ganhar mais e guardar o dinheiro para seus projetos futuros. Assim que abrirem as fronteiras, ela pretende tirar um gap year e viajar o mundo com a filha. As passagens serão apenas de ida e o itinerário vai ser definido ao longo do caminho, mas o país que não pode faltar é a Rússia para Clara colocar seus aprendizados em prática. 

Este ano, para a surpresa dos seguidores, Shana tomou a difícil decisão de deixar a Casa Verde e comprou um apartamento. Quando o banco liberar o financiamento, terá um imóvel próprio pela primeira vez. “Nasci sem muitas perspectivas, mas sempre tive sonhos. A compra desse apê em Florianópolis significa muito para mim”, escreveu em seu Instagram. 

É uma grande mudança para a família, inclusive para Preta, que não vai mais ter um jardim à sua disposição. Shana até considera comprar fraldas para a galinha usar no apartamento. Mesmo sem a chave nas mãos, a professora já pensou em toda a decoração e pretende compartilhar a reforma com os “casaverders”. Em seu perfil, um seguidor pergunta se Shana se arrepende de ter reformado a casa alugada, ao que ela responde: “Jamais. Eu sou a principal defensora de que você deve fazer mais do que existir no lugar em que você mora. É seu lar. Próprio ou alugado, é seu lar”.

Reportagem produzida para a disciplina Linguagem e Texto Jornalístico sob orientação da Profa. Dra Melina de la Barrera Ayres.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.