UFSC retomou as aulas no dia 31 de agosto, com as salas de aula vazias (Foto: Rodrigo Barbosa)

Volta às aulas na UFSC: veja como estão funcionando os auxílios oferecidos pela Reitoria aos estudantes durante o ensino remoto

Reportagem de Rodrigo Barbosa

Para a maior parte dos estudantes da UFSC, as aulas retornaram na última semana. Quase seis meses após a suspensão das atividades acadêmicas presenciais por conta da pandemia da Covid-19, as aulas da instituição foram retomadas de maneira remota na segunda, dia 31 de agosto. Logo no primeiro dia de aula, uma surpresa: ataques de hackers derrubaram a plataforma Moodle, utilizada para a realização das atividades, entre a noite de domingo e a manhã de segunda. O problema foi resolvido ainda nas primeiras horas do dia, mas evidencia o caráter de adaptação e instabilidade que deve permear este semestre na UFSC. 

Durante os 165 dias de suspensão de atividades presenciais, muitas foram as decisões tomadas pela Reitoria a fim de tentar diminuir esta instabilidade para professores e estudantes. Um caminho árduo, visto que ao menos sete mil estudantes declararam, em pesquisa realizada em junho, que não pretendiam dar continuidade aos estudos de maneira não-presencial. Embora tenha sido respondida por pouco mais de 60% dos estudantes (mais de 13 mil discentes não responderam ao questionário), a pesquisa foi usada como norte para que a Reitoria mapeasse a situação da comunidade acadêmica e preparasse o retorno às aulas e rodadas de auxílio à comunidade, mesmo com o orçamento fortemente reduzido por conta de sucessivos cortes realizados pelo Ministério da Educação (MEC), reportados pelo Cotidiano UFSC desde o primeiro semestre do ano passado.  

Confira o que já foi e o que tem sido feito pela Administração Central da UFSC para auxiliar os estudantes desde o começo da pandemia: 

Auxílio Emergencial 

Criado ainda no começo da pandemia, o Programa Emergencial de Apoio ao Estudante oferece R$ 200 mensais a estudantes da UFSC em situação de vulnerabilidade econômica durante o período de suspensão das atividades presenciais. Segundo Pedro Barreto (Pró-Reitor de Assuntos Estudantis), foram pelo menos três mil estudantes beneficiados em cada uma das parcelas do auxílio desde março. 

Até o mês de julho, os estudantes interessados tiveram que se inscrever todos os meses para obter o auxílio. A partir de agosto, a Reitoria lançou um novo edital para o auxílio com validade até o fim do ano, exclusivamente para alunos da graduação que sejam beneficiários do Programa de Isenção de Pagamento das refeições do RU. No novo edital, que contemplou 3.649 pessoas (alta de 10% em relação a julho), os estudantes puderam se inscrever uma única vez para receber as últimas cinco parcelas da ajuda.

Para quem perdeu a inscrição, há ainda janelas para se inscrever nos meses subsequentes. Mas, neste caso, o pagamento não será feito de maneira retroativa. Para mais informações, clique aqui

Programa Emergencial de Inclusão Digital 

Durante os meses de julho e agosto, a UFSC fez um levantamento para identificar os estudantes em situação de vulnerabilidade econômica que necessitavam de auxílio tecnológico para desempenhar atividades de maneira remota. Através de um edital, a universidade ofereceu a possibilidade de empréstimo de computadores e pagamento de planos de dados de internet aos alunos inscritos – neste caso, não apenas os alunos da graduação, mas os da pós e os dos ensinos médio e fundamental também puderam solicitar o auxílio. 

No caso dos planos de internet, o auxílio é de R$ 100 mensais e começou a ser pago na última semana de agosto. Em audiência pública na última sexta (04), o reitor Ubaldo Cezar Balthazar afirmou que 1.113 benefícios já teriam sido pagos, mas foram mais de 1.400 estudantes inscritos. De acordo com a Reitoria, os mais de 300 estudantes ainda não contemplados irão receber o pagamento próximo ao dia 15 de setembro. Para manter o benefício, o estudante deve comprovar a contratação de um plano de dados e o desenvolvimento de atividades na universidade. 

Estudantes que estão na Moradia Estudantil não podem se inscrever nesta modalidade pois, segundo a Reitoria, já há internet no local. Os moradores, entretanto, têm questionado a medida pois o sinal da rede da Moradia não seria suficiente e estaria passando por uma série de instabilidades recentemente. Pró-Reitor de Assuntos Estudantis, Pedro Barreto alegou que a Moradia “não está isenta das flutuações de internet que ocorrem em toda universidade”. Ainda segundo ele, rebatedores seriam colocados na tentativa de melhorar o sinal, e a universidade ainda estaria analisando a possibilidade de instalar cabos de internet no andar de baixo do prédio. A estrutura física do local impediria a instalação destes cabos em todos os apartamentos. 

A situação dos empréstimos dos computadores é um pouco mais complexa. Ao todo, 1.394 estudantes solicitaram os equipamentos até o dia 20 de agosto e, desde então, a Reitoria vem tentando se desdobrar para disponibilizá-los. Na audiência da última sexta, Áureo Moraes (Chefe de Gabinete da Reitoria) afirmou que a Administração Central já teria coletado “praticamente toda a totalidade de equipamentos disponíveis”, sem dar mais detalhes. Ele ainda disse que, no começo desta semana, estariam bem próximos de alcançar a totalidade de alunos que requisitaram ajuda e que “8 ou 9 Centros” teriam dado conta da demanda com os computadores de seus próprios laboratórios. Mas durante a audiência – que foi realizada de maneira remota e transmitida ao vivo – ao menos um aluno do CFM (um dos Centros citados pelo Chefe de Gabinete) relatou que ele e outros colegas ainda não haviam recebido o auxílio.  

Na primeira semana de aulas, o Centro de Comunicação e Expressão (CCE) havia recebido apenas 55 dos 162 computadores requisitados (Foto: Secretaria de Administração do CCE)

Segundo a Reitoria, a UFSC não teria capacidade de encaminhar os computadores aos alunos. Por conta disso, os estudantes devem buscá-los presencialmente em algum dos campi da instituição. A distribuição, entretanto, fica a cargo de cada Centro de Ensino e ainda não tem sido feita de maneira uniforme. Os centros com maior demanda são o CSE (Centro Socioeconômico), CCE (Centro de Comunicação e Expressão) e o CFH (Centro de Filosofia e Ciências Humanas), cada um com cerca de 150 alunos inscritos. 

É permitido que terceiros busquem os equipamentos através de procuração e, em casos excepcionais, órgãos como o Incra e a Funai foram acionados para auxiliar (nos casos de estudantes indígenas e de Educação do Campo, por exemplo). Além disso, o Reitor Ubaldo destacou que nove computadores já foram entregues a estudantes apenados. 

O edital do Programa Emergencial de Inclusão Digital fica permanentemente aberto, mas não serão feitos pagamentos retroativos nos casos de contratação de pacotes, e estudantes que se inscreveram depois do dia 20 de agosto estão sujeitos à disponibilidade de computadores para recebê-los.  

Para mais informações: Equipamentos de informática / Acesso à internet 

Auxílio a Calouros Indígenas e Quilombolas 

Estabelecido em agosto para suprir não-abertura de inscrições para o Programa Bolsa Permanência do MEC para estudantes indígenas e quilombolas que ingressaram na universidade do semestre 2020-1. Serão concedidos auxílios no valor de R$ 728,20 por mês entre setembro e dezembro, e eles poderão ser suspensos automaticamente em caso de abertura de edital por parte do MEC. Entre março e agosto, os calouros indígenas e quilombolas não receberam qualquer tipo de ajuda, além do auxílio emergencial de R$ 200.  

Os veteranos indígenas e quilombolas que perderam suas Bolsas Permanências devido a um corte promovido pelo MEC no meio do ano passado não puderam requisitá-la novamente este ano pela falta de editais e seguem sem qualquer auxílio por parte do Ministério (normalmente, o valor da Bolsa Permanência para estes estudantes é de R$ 900). Estudantes indígenas também denunciam que não estariam recebendo o Auxílio Moradia – no valor de R$ 200, pagos pela UFSC – há mais de um ano. Já houveram campanhas de arrecadação de suprimentos na Moradia Estudantil Indígena e em diversas aldeias que são lares de estudantes da UFSC. 

Parte dos estudantes indígenas da UFSC se encontra sem qualquer tipo de benefício – além do auxílio emergencial e R$200 estabelecido em março – há mais de um ano (Foto: Rodrigo Barbosa)

Nossa reportagem questionou a PRAE sobre os motivos do não-pagamento do Auxílio Moradia aos estudantes indígenas e quilombolas, mas não obteve resposta até a publicação. Além disso, questionamos quantos estudantes estariam atualmente sem receber a Bolsa Permanência do MEC, se haveria algum tipo de ajuda para estes estudantes durante a pandemia e o porquê de o auxílio emergencial para os calouros destas modalidades só ter sido garantido em setembro, quase seis meses após a suspensão das atividades acadêmicas. Também não recebemos retorno. O Cotidiano UFSC segue em busca dessas respostas e atualizará a reportagem assim que as recebermos.

Saúde Mental e Evasão 

A Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis elaborou um plano para auxiliar os estudantes que necessitam de apoio psicológico durante o período de isolamento. Segundo Pedro Barreto, está sendo feito um mapeamento dos estudantes que realizaram trancamento de semestre para entender os motivos e orientar estes alunos. Os atendimentos, cujos moldes ainda não foram detalhados publicamente, serão feitos de maneira remota com auxílio direto de assistentes sociais/psicólogos com o estudante. 

Além disso, o Reitor Ubaldo ainda mencionou a disciplina ZZD2020 como uma alternativa à evasão. A ZZD vai funcionar como uma espécie de “disciplina fantasma”, na qual o estudante matriculado não terá aulas durante o semestre, mas segue vinculado à UFSC e pode, por exemplo, continuar recebendo os auxílios da universidade (isto não se aplica em casos onde a bolsa está vinculada ao fato de o estudante estar cursando alguma disciplina específica). A disciplina será incluída automaticamente pelo sistema para aqueles estudantes que não realizaram o trancamento e que ficarem sem nenhuma matéria na grade após o fim do período de reajuste de matrícula. Em caso de dúvida sobre a disciplina ZZD2020, entre em contato com a Divisão de Cadastro Acadêmico e Matrícula do DAE através do email dicam.dae@contato.ufsc.br. 

Programa de Auxílio a Monitores e Estagiários 

Na audiência pública do dia 4 de setembro, Fernando Richartz (Secretário de Planejamento e Orçamento da UFSC) anunciou um novo programa de auxílio. Desta vez, o objetivo seria melhorar as condições de trabalho de estudantes que participam de programas de monitoria e estágio na UFSC. O valor da bolsa seria de R$ 150 mensais para auxiliar nas necessidades destes alunos em, por exemplo, adquirir novos equipamentos ou softwares. 

A minuta do programa se encontra atualmente em caráter de urgência na Procuradoria da UFSC, responsável por analisar a legalidade do documento. A Reitoria espera que o texto seja aprovado ainda esta semana e as inscrições se darão via edital, ainda a ser divulgado. “Até onde consta”, segundo Richartz, todos os estagiários e monitores poderão se inscrever, não havendo necessidade de confirmação de renda, por exemplo.

De acordo com a Reitoria, todos os auxílios fornecidos em caráter emergencial durante a pandemia têm vigência até o término do calendário suplementar (dezembro deste ano). A Administração Central afirma que pretende estendê-los ao menos para os primeiros meses do ano que vem, quando o ensino remoto ainda será, muito provavelmente, uma realidade. Mas o orçamento da UFSC para o ano de 2021 ainda não foi divulgado pelo Ministério da Educação, e a universidade depende desta verba para dar ou não continuidade aos programas. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.