Situação dos imigrantes em SC é discutida na ALESC

Texto: Luiza Kons (lupkons@gmail.com)

Fotos: Luiza Kons e Nahomie Laurore (nahomielaurorore@gmail.com)

Sentados em um círculo haitianos, senegaleses e brasileiros discutiam questões relacionadas ao trabalho dos imigrantes no Brasil, durante seminário na Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina (ALESC). Outros dois grupos dialogavam sobre políticas de acolhimento e educação dentro de “I Seminário Migrações Contemporâneas e Direitos Fundamentais de Trabalhadores e Trabalhadoras em Santa Catarina“.

Foram apontadas jornadas de trabalho excessivas impostas aos imigrantes, que trabalham nos frigoríficos do oeste do estado. Fils Nine, da Associação de Haitianos de Nova Erechim, relata trabalhar 11 horas por dia sem receber hora extra “É uma escravidão, além disso, já vi muito fígado de frango estragado ser colocado em bandejas para ser vendido”.

[widgetkit id=10772]

Outras denúncias foram a diminuição da velocidade da esteira -por onde as carnes passam- durante a visita da fiscalização; a não compatibilidade do trabalho do migrante com sua formação- muitos tem ensino superior e exercem atividades do nível fundamental-; dificuldade do acesso à saúde, desde mau atendimento até sua negação, contrato de trabalho em português e falta de esclarecimento dos direitos dos trabalhadores do Brasil.

Vários imigrantes comentaram casos de racismo como terem sido chamados de “cachorros pretos’’ ou tratados com excessiva desconfiança. O vice-presidente da associação de haitianos de Itajaí,  Bélenque Dieudonné relatou que cartórios de Itajaí se recusaram a fazer casamentos entre haitianos legalizados, sob a alegação que haitianos só poderiam realizar o matrimônio com brasileiros.

Imigrantes de outros países também participaram do seminário como  sírios, angolanos e colombianos

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.