Responsabilidade institucional e profissionalização da gestão é a marca da chapa 83

Texto e vídeo: Luan Martendal (luanmartendal@gmail.com) e Luiza Possamai Kons (lupkons@gmail.com)*

abertura

Na terceira reportagem da série eleições UFSC/2015 o Cotidiano ouviu as integrantes da chapa  “A UFSC é o nosso compromisso” , as professoras Roselane Neckel e  Lúcia Helena Pacheco.

Em entrevista, as candidatas a reeleição pela chapa 83 destacaram que a marca da gestão será atender as demandas legitimas ligadas ao processo acadêmico e a finalidade institucional.

1De acordo com as professoras, a principal proposta da chapa é dar sequência ao trabalho de profissionalização administrativa da UFSC. “Uma instituição do tamanho da nossa, necessariamente precisa se profissionalizar. O que a gente quer dizer com isso é que processos informais, troca de favores, não podem mais acontecer. Os setores têm que ter uma especificação das suas atribuições, um grupo de pessoas deve dominar determinados conhecimentos e atender bem a comunidade independente de que setor for”, afirmou Lúcia.

Questionadas sobre como pretendem rearticular o ensino, a pesquisa e a extensão, as candidatas citaram a ampliação e o fortalecimento do financiamento às bolsas de iniciação cientifica com a criação de um fundo de investimento interno. “O fortalecimento desse programa vai nos dar autonomia para a criação de políticas internas de fomento à pesquisa e isto com certeza vai fortalecer o ensino e a extensão”, destacou Roselane. Articular atividades de extensão com impacto social e incentivar a relação entre teoria e prática também compõem o programa da chapa.

Quanto a proxim2idade com os alunos, elas pretendem dialogar com os diferentes grupos ideológicos e políticos estabelecidos na instituição. “O compromisso que uma universidade tem e principalmente um educador deve ter, é com o diálogo e o fortalecimento do respeito na diferença entre todas as partes”, apontou Roselane. Para Lúcia, o contato também é importante para resolver demandas institucionais. “A medida em que ouvimos os estudantes a gente percebe as peculiaridades de cada setor e pode estar intervindo, conversando e dialogando para fazer ajustes necessários para a universidade atender a sua finalidade: ensinar com qualidade”, disse.

Por fim, elas acreditam que a maior inovação da chapa, caso eleitas, será discutir a forma como a universidade se estrutura, fortalecendo a gestão institucional. “O individualismo precisa dar lugar à instituição. É isso que acreditamos ser a grande mudança de cultura que estamos cultivando na UFSC. Essa é a grande inovação: transformar uma universidade muitas vezes de alguns em uma universidade de todos e todas”, concluiu Roselane Neckel.

No dia 6, próxima terça, o Cotidiano entrevista os integrantes da Chapa 84, professores Edson Roberto De Pieri e Carlos Alberto Marques. Acompanhe, comente, compartilhe a cobertura as Eleições UFSC/2015.

Colaborou: Maicon Rios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.