Pac-Man completa 33 anos de idade

Texto e arte: Marília Quezado (mariliaquezado@gmail.com)
Fotos: Divulgação

pacman-homarc2Há 33 anos nascia uma lenda, um dos maiores personagens de vídeo games. Criado no Japão em 1980 pelo designer da empresa Namco, Toru Iwatani, o jogo foi primeiramente batizado de Puck-Man, do termo japonês paku-paku, que significa “a boca de alguém a abrir-se e fechar-se”. Ao ser comprado pela empresa Bally e distribuído pela Midway Games nos Estados Unidos em outubro do mesmo ano, o jogo tornou-se um dos maiores sucessos do mundo dos jogos.

Idealizado primeiramente para Arcade, o jogo surpreendeu pelos gráficos e pela inteligência artificial que, mesmo limitada, era boa para a época, de acordo com a jornalista e colecionadora de games retrô, Risa Stoider. O Pac-Man, como foi batizado no mundo ocidental, “também foi responsável por atrair um público diferentes para o universo dos jogos e popularizar os arcades. Agora não eram só os meninos e homens que jogavam, mas mulheres e crianças de várias idades também, completa Risa.

 Com o passar dos anos, o jogo foi sendo adaptado para outros aparelhos, como o Atari 2600, Dactar, Mega Drive e Milmar. “Os jogos para aparelhos nunca foi à altura do jogo para Arcade”, diz o jornalista e crítico de jogos Andrei Longen. “Os Arcades eram muito mais complexos no inícios dos anos 1980, em relação aos vídeo games portáteis. Os processadores eram piores”.

[swfobj src=”http://cotidiano.sites.ufsc.br/wp-content/uploads/2013/10/pac-man-info1.swf” width=”700 px” height=”500 px” align=”center”]

 Hoje, existem versões para tablets e smartphones, jogos modernos com gráfico em 3D para Playstation e Xbox, porém a essência do Pac-Man, a lógica, não existe mais. “O jogo Pac-Man não tem mais competitividade no mercado de hoje. O público quer jogos mais complexos, em primeira pessoa, bons gráficos, etc.” Isso tornou o Pac-Man um sinônimo de infância, um jogo para relembrar uma fase da vida de muitas pessoas, assim como o Mário.

 Para Jogar

 A cultura dos jogos retrôs ainda está bastante viva. Em Florianópolis, a empresa Vício Game comercializa cartuchos antigos de jogos, bem como aparelhos e outros artigos. Para quem quiser jogar, a Vício Game disponibiliza os jogos durante a feira Viva a Cidade, organizado pelo Câmara de Dirigentes Lojistas de Florianópolis (CDL), que ocorre aos sábados no Centro Histórico de Florianópolis. Ainda é possível jogar, esse e outros jogos, pelo site.  Em 2010, a empresa também realizou um evento regional dedicado aos vídeo games retrôs. A expectativa é que em 2014 haja a segunda edição.

Outros eventos também dedicam uma área a esse tipo de jogo. É o caso do encontro Brasil Game Show, que será realizado entre os dias 25 e 29 de outubro, na cidade de São Paulo.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.