Entrevista Segredos UFSC

Por que vocês decidiram criar a página?

Queríamos conhecer melhor quem estuda conosco e criar uma sensação de comunidade maior no corpo estudantil.

Por que escolheram o Facebook e não um site/blog?

A grande maioria dos estudantes da UFSC tem Facebook, então para eles é muito mais conveniente que as atualizações da página estejam logo ali no feed de notícias, prontas para serem comentadas, curtidas ou compartilhadas.

Quantas mensagens recebem por dia?

A cada dia cresce mais. Só no domingo (12/maio), recebemos 157. É claro que nesse número estão incluídas mensagens que não tem nada a ver com nada. Uma pessoa, por exemplo, só queria pedir emprestado o banheiro de alguém, pois tinha acabado a água no apartamento dela.

Quanto tempo gastam por dia administrando a página?

Entramos sempre que dá. A página na verdade é fácil de administrar (pelo menos até agora). Fazer posts novos se resume a simplesmente copiar e colar. De vez em quando também programamos alguns segredos para serem postados em horários quando não estamos online.

Fazem algum tipo de moderação (exemplo: deixam de postar alguma matéria, mudam alguma palavra)?

Com o grande número de mensagens, algumas delas acabam não sendo postadas para evitar um número excessivo de posts por dia. Como regra, procuramos não postar mensagens que façam referência direta a alguma pessoa de maneira que possa denegri-la. O objetivo da página não é esse e não queremos criar uma situação desconfortável para ninguém. Também procuramos variar os tópicos das postagens para não ficar repetitivo. Ou seja, se temos muitas mensagens sobre amor não correspondido, por exemplo, algumas delas deixarão de ir para o Facebook, pelo menos naquele momento. Criamos a página faz pouco tempo, então ainda estamos descobrindo o melhor jeito de lidar com tudo isso.

Se vocês veem um caso arriscado, como alguém ameaçando suicídio, fazem alguma coisa para ajudar?

Com a garantia de anonimato total, acabamos sem ter como entrar em contato direto com quem manda as mensagens. O máximo que podemos fazer é postar a mensagem e oferecer ajuda pelos comentários, o que nós e outras pessoas que curtem a página fazemos. De qualquer maneira, esperamos que essas mensagens também possam sensibilizar os estudantes em relação a assuntos como a depressão. Independentemente da pessoa que mandou a mensagem estar falando a verdade ou não, é uma realidade que existe e com a qual temos que saber lidar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.