Coronavírus: veja mais projetos que atendem comunidades em situação de vulnerabilidade

Reportagem de Rodrigo Barbosa

De acordo com técnicos do Ministério da Saúde, Santa Catarina pode ser o novo foco crítico da pandemia do novo coronavírus. O número de casos no estado mais que dobrou na última semana, saltando de 1.063, em 20 de abril, para 2.623 na segunda-feira (4 de maio). Vale ressaltar que, devido à subnotificação pela ausência de testes, esse número pode ser bem maior.

Durante os quase dois meses nos quais medidas de isolamento social foram aplicadas, organizações da sociedade civil têm sido fundamentais para diminuir os efeitos econômicos e sociais que impactam as comunidades em situação de vulnerabilidade, conforme mostramos em reportagem no mês de abril. O Cotidiano UFSC reuniu mais iniciativas que têm feito a diferença no combate à pandemia na Grande Florianópolis. Confira e colabore.


Projeto Resgate – Todos Contra a Fome

O Projeto Resgate existe desde 2013 com o intuito de auxiliar pessoas em situação de rua e comunidades carentes da Grande Florianópolis. Diante da pandemia de Covid-19, o projeto criou a campanha Todos Contra a Fome, uma vaquinha online para distribuir cestas básicas nas comunidades assistidas pelo projeto. 

Até 28 de abril, foram nove toneladas de alimentos doados, auxiliando mais de quatro mil pessoas em comunidades como Chico Mendes, Coloninha e Morro dos Cavalos. De acordo com Bruno Becker, fundador do Projeto Resgate, a meta é entregar duas mil cestas básicas até o fim de maio.

Entrega de cestas básicas para crianças da escolinha de futebol do Projeto Resgate no Chico Mendes (Foto: Divulgação)

O Projeto Resgate também foi responsável pela entrega de 65 cestas básicas arrecadadas pela padaria Das Brot Coqueiros. No estabelecimento, é possível trocar um quilo de alimento não perecível por uma máscara. As trocas podem ser feitas na Rua Fritz Müler, 700, bairro Coqueiros.

Para contribuir com o Projeto Resgate:
Vaquinha: vaka.me/974234
Instagram: @projeto_resgate


Orgânico Solidário

O Orgânico Solidário é uma iniciativa que recebe doações em dinheiro para a distribuição de cestas básicas feitas com alimentos orgânicos. Já foram mais de sete mil cestas doadas em 30 comunidades de Santa Catarina, São Paulo e Rio de Janeiro.

Em Santa Catarina, os insumos são fornecidos pela Acolhida na Colônia, rede de agricultores familiares que atua em mais de 20 municípios do Estado. O PET Educampo, da licenciatura em Educação do Campo da UFSC, é o responsável pela organização dos produtores e pela montagem das cestas. A distribuição é feita através de parceria com o Instituto Pe. Vilson Groh. Ao menos 100 famílias já foram beneficiadas nas comunidades do Monte Cristo e do Mocotó. 

“A proposta é entregar, no mínimo, 50 cestas semanais. Isso dependerá, entretanto, de nossa capacidade de mobilizar doações”, afirmou Thaise Guzzatti, tutora do PET Educampo. De acordo com ela, as cestas da próxima semana já estão garantidas, mas o projeto segue em busca de novas doações. Cada cesta contém 6 kg de alimentos orgânicos e custa R$ 45. 

As doações podem ser feitas via Picpay, cartão de crédito ou boleto através do site www.organicosolidario.org
Transferências bancárias podem ser feitas para :
Banco Itaú
Conta: 04939-8
Agência: 0726
CNPJ: 19.570.828/00001-03


Frente Indígena de Prevenção e Combate ao COVID-19

A Frente é um coletivo de lideranças indígenas e indigenistas da região Sul criado para preservar a segurança alimentar e auxiliar comunidades indígenas em situação de vulnerabilidade durante a pandemia. Os três povos indígenas de Santa Catarina (Guarani, Kaingang e Laklãnõ/Xokleng) fazem parte da iniciativa, que também tem feito campanhas de conscientização nas aldeias.

De acordo com a Frente, o fato de a maior parte dos territórios indígenas catarinenses se situar próximos a aglomerações urbanas acentua a vulnerabilidade dessas comunidades frente ao novo coronavírus. São os casos das aldeias Terras Indígenas Ibirama-Laklãnõ (José Boiteux) e Morro dos Cavalos (Palhoça), por exemplo.

A organização social dessas comunidades é outro fator que preocupa, visto que muitas famílias têm grande número de crianças e idosos. Por fim, eles destacam que a comercialização de artesanato, base da economia de muitas famílias, está sendo severamente afetada pela pandemia, aumentando o risco de vulnerabilidade financeira.

Frente Indígena de Prevenção e Combate ao COVID-19 auxilia comunidades indígenas da região Sul (Foto: Divulgação)

A Frente Indígena de Prevenção e Combate ao COVID-19 está recebendo doações em dinheiro para comprar alimentos e produtos de higiene para as comunidades indígenas da Região Sul. As doações podem ser feitas clicando aqui.

Além disso, bases da SESAI (Secretaria Especial de Saúde Indígena) e da FUNAI (Fundação Nacional do Índio) estão recebendo doações de alimentos não perecíveis. Em Santa Catarina, os postos de coleta são: 

SESAI

São José – Rua Cap. Pedro Leite, 530 – Barreiros (48) 3049-8521

Chapecó – Rua Curitiba, 465 D, Santa Maria (49) 3323-3022

Ipuaçu – Rua Pagnocelli, 358, Centro (49) 3449-0552

Araquari – (47) 3447-1443

FUNAI

São José: Rua Joaquim Vaz, 1322 – Campinas (48) 3244-0469

Chapecó: Rua Mal. Mascarenhas de Moraes, Parque das Palmeiras (49) 3322-0024.

José Boiteux: Rua Primeiro de Maio, 51 – Centro (47) 3352-7352


Somar Floripa – Somando Contra o Covid-19

A Somar Floripa é a rede solidária da Prefeitura de Florianópolis e existe desde o ano de 2017. A rede tem concentrado seus esforços no combate à pandemia, oferecendo opções de voluntariado em diversas áreas. A campanha foi batizada de Somando Contra o Covid-19.

Sem sair de casa é possível auxiliar, por exemplo, pessoas que encontram dificuldades para acessar a plataforma do Auxílio Emergencial de R$ 600 concedido pelo Governo Federal ou costurar máscaras para os voluntários do projeto. 

Algumas das opções de voluntariado oferecidas pela Somar Floripa (Fotos: Divulgação)

A rede ainda conecta pessoas do grupo de risco da Covid-19 a voluntários que se dispõem a realizar compras de supermercado ou oferecer caronas a postos de saúde. Além disso, ainda recebem doações de cestas básicas, produtos de higiene e de segurança. Ao todo, mais de 6.400 famílias já foram atendidas pelo projeto.

A lista com todas as opções de voluntariado ofertadas pela Somar Floripa pode ser encontrada clicando aqui.


Círculos de Hospitalidade

A ONG Círculos de Hospitalidade é uma organização que desenvolve iniciativas culturais, sociais e educacionais visando facilitar o processo de integração e acolhimento de refugiados e imigrantes em Santa Catarina. 

Durante a pandemia, a ONG tem realizado ações que auxiliam famílias de imigrantes em situação de vulnerabilidade. São doados alimentos e itens de higiene, e o projeto ainda oferece apoio psicossocial às famílias e aulas de português como língua de acolhimento online.

No primeiro mês de ações dedicadas ao enfrentamento da pandemia, 272 cestas básicas foram distribuídas, além de 100 litros de leite e fraldas. Ao todo, mais de 240 famílias de 10 nacionalidades diferentes já foram beneficiadas na Grande Florianópolis.

Doações em dinheiro podem ser feitas para: 
Círculos de Hospitalidade
CNPJ 29.309.202/0001-00
Banco Itaú Unibanco AS
Ag: 0289
CC: 21635-0

Cestas básicas e produtos de higiene pessoal podem ser entregues na farmácia SESI da Trindade (Rua Lauro Linhares, 2135). Para mais informações sobre o projeto pelo site, facebook ou instagram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.