Senhoras donas da mala

Romance inédito e mais de mil documentos de Jorge Amado foram confiados pelo escritor à companheiros políticos durante o exílio na América Latina
Texto: Natália Huf (natalia.huf@gmail.com)
Fotos: Diana Koch

Passados quatro anos desde que o presidente do Brasil Getúlio Vargas mandara queimar todos os livros do “simpatizante do credo vermelho”, o escritor Jorge Amado — o próprio simpatizante do credo vermelho — se exilava na Argentina. Sua saída do país era um pedido do Partido Comunista Brasileiro: o autor e militante deveria ajudar a causa comunista, e faria isso escrevendo a biografia de Luís Carlos Prestes.

Continue a leitura

jorge amado romance inédito
Romance inédito de Jorge Amado ficou guardado por quase 70 anos

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.