Professores divididos: filiados ao Andes aderem à paralisação nacional. Apufsc não deliberou a respeito

Texto, arte e fotos: Priscila dos Anjos (priscila.anjos88@gmail.com)

votacao- galeria

Os cerca de 200 professores filiados  a ANDES – Associação Nacional dos Docentes da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) devem paralisar as atividades amanhã, dia 29. Os 2671 restantes, filiados à APUFSC , não tem indicativo de paralisação, já que a Associação não deliberou a respeito.

A ANDES/UFSC  apoia as pautas do movimento nacional, como a oposição ao ajuste fiscal e ao projeto de lei da terceirização, além da contestação às medidas provisórias 664 e 665, que modificam políticas trabalhistas como o abono salarial, seguro-desemprego, seguro-defeso, pensão por morte auxílio-doença.

tittonA adesão à paralisação foi votada em assembleia de professores, na segunda-feira (25) que teve cerca de 60 participantes entre professores e representantes da Associação Nacional de Docentes (ANDES). Na assembleia, o presidente da ANDESUFSC, Mauro Titton, avaliou a adesão como uma forma de ampliar a mobilização dos docentes: “ainda que a gente saiba que não paralisaremos toda a universidade, nós poderíamos indicar esse dia para fortalecer a mobilização, ampliando o diálogo com os colegas em torno de dois pontos básicos: qual é a nossa pauta de reivindicação, e qual é o momento conjuntural de nós pensarmos seriamente na greve”.

O indicativo de greve foi mantido. Antes previsto para o dia 28 de maio, foi adiado até o 2 de junho quando ocorre uma nova assembleia no Auditório do Espaço Físico Integrado (EFI), às 10h.

A divisão do movimento sindical dos professores da UFSC entre o ANDES e a Apufsc se deu em função da criação da Proifes – Federação de Sindicatos de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior. Compare abaixe a pauta de reivindicação das duas representações:

andes

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

proifes

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A polêmica da representatividade sindical

Em janeiro deste ano, o Tribunal Regional do Trabalho considerou que o ANDES não representa sindicalmente os professores da UFSC. A ação contra o Sindicato foi solicitada pela Associação os Professores das Universidades Federais de Santa Catarina (Apufsc) e se não for acatada pode resultar  em multa diária de R$ 10 mil. O ANDESUFSC pode ainda recorrer da decisão.

Na assembleia realizada na última segunda-feira o presidente do ANDESUFSC Mauro Titton comentou que as pautas precisam ser defendidas pela categoria. “É importante mobilizar os professores sindicalizados, no sindicato que for. Porque o debate da mobilização precisa de um sindicato forte e combatente que tenha pauta, mas precisa ser uma pauta dos professores, greve quem faz é a categoria”. Já a Apufsc convocou os membros do Conselho de Representantes, formado por professores eleitos pela categoria, para uma reunião hoje, 28 de maio. Segundo nota divulgada pela Apufsc, a pauta da reunião será “a análise do momento político-econômico e da greve. Também será discutida a possibilidade da convocação de uma Assembleia Geral para discutir o posicionamento  diante desse cenário e definir coletivamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.