Entre idas e vindas

Seguindo um movimento cíclico, a moda nunca morre: tendências passadas sempre voltam e viram objeto de desejo nos bazares e brechós

Texto: Giulia Gaia e Natália Huf
Edição e diagramação: Natália Huf

Como já disse Lavoisier, “na natureza nada se cria, tudo se transforma”. E a moda segue essa mesma lei, em um movimento cíclico. Se levarmos em consideração a temporalidade das coisas, é normal vários padrões de comportamentos voltarem; o vestuário é uma forma de expressão social de uma determinada época e, portanto, nada mais natural do que buscar referências antigas quando se identifica um momento similar a outro do passado.

Para a designer de moda Jaqueline Scissar, quando se faz uma criação no campo da moda, na realidade, algo que já existe está sendo transformado: através de releituras, referências e estética de outros períodos, alterações na tecnologia têxtil e de modelagem, “nada do que passou, de outras décadas e outras coleções, se perde. Vai ser sempre reutilizado de alguma forma”.

A matéria completa você pode conferir clicando neste link.

Kombi virou brechó itinerante em Florianópolis
Kombi virou brechó itinerante em Florianópolis. Foto: Malena Wilbert/Cotidiano UFSC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.