Situação na UFSC é de mobilizações e paralisações

Texto, arte e produção: Beatriz Santini (beatrizfsantini@gmail.com) e Natália Porto (nataliaporto.jor@gmail.com)

No campus de Florianópolis, os cursos de Serviço Social, Letras Libras, Artes Cênicas, Ciências Sociais, Ciências Biológicas, Pedagogia, Psicologia, Geografia, Geologia, Oceanografia, Educação do Campo, História, Arquitetura e Farmácia estão com as atividades paralisadas. Além da capital, mais três cursos do campus de Curitibanos também entraram em greve: Medicina Veterinária, Agronomia e Engenharia Florestal.

No entanto, a reitoria ainda não recebeu da APUFSC  (Sindicato dos professores das Universidades Federais de Santa Catarina) nenhum aviso oficial de greve. Por enquanto, todas as mobilizações são independentes e extraoficiais. A APUFSC fará uma Assembleia na próxima quarta-feira,  dia 2 de setembro, no Auditório do Centro de Ciências da Saúde, as 14 horas, pare definir os rumos da mobilização.

Apoio à greve dos servidores técnico-administrativos. Falta de de material para aulas práticas. Falta de professores para disciplinas obrigatórias. Corte no orçamento liberado pelo Ministério da Educação. Esses são alguns dos motivos que levaram alunos da Universidade Federal de Santa Catarina a deflagrar greve em 17 cursos de graduação.

Na quarta-feira (19/8) estudantes de Farmácia realizaram uma manifestação no hall da reitoria e reivindicaram a compra de materiais usados nas aulas práticas, principalmente reagentes, que segundo eles, “culminou na inviabilidade do andamento do semestre atual e seguintes, uma vez que grande parte do currículo do curso é composto destas aulas.”

O Pró-Reitor de Graduação da UFSC, Julian Borba, afirmou que as aquisições dos materiais pedidos pelos estudantes estão sendo realizadas em parceria com o departamento de compras. “Precisamos lembrar que estamos lidando com um quadro de greve dos servidores, que tem dificultado as compras. Em relação às demandas da Farmácia, acreditamos que na próxima semana já contará com alguns materiais. Na quinta-feira passada (20/8) fizemos 27 processos de empenho desses itens e o prazo de entrega é de 10 dias”, complementou.

Os estudantes de Serviço Social não completaram nem o primeiro semestre letivo. Assim como os alunos de Pedagogia, a paralisação já ocorre há mais tempo. Os portões do prédio onde fica localizado o curso de Serviço Social foram fechados por uma semana no semestre passado, em oposição a uma votação dos professores, onde a maioria dos docentes voltou contra a greve.

[widgetkit id=10108]

Nesta semana, mais cursos aderiram à greve. Estudantes de Psicologia e Ciências Biológicas paralisaram as atividades até sexta-feira (28/8) e planejaram uma semana atividades para discussão a cerca do tema. Em nota, o Centro Acadêmico Livre de Psicologia (CALPsi) afirma que o curso também sofre com as dificuldades enfrentadas por todos os estudantes da UFSC. Além da ausência do funcionamento do Restaurante Universitário, Biblioteca universitária, ausência de auxílios para a realização e a presença em eventos científicos, ausência na atualização de cadastros para bolsa permanência, da precarização da infra-estrutura da universidade, a Psicologia está sofrendo com a falta de professores para 7 matérias do currículo acadêmico.”

O Pró-reitor Julian Borba ponderou que a falta de docentes não é pelo corte de verbas, mas pela greve total dos servidores da Secretaria de de Gestão de Pessoas. “Por conta disso os processos de nomeação, homologação e posse de 80 professores efetivos e 120 substitutos estão bloqueados. Mas, não existe nenhuma disciplina sem professor.”

No mesmo tom, estudantes de Ciências Biológicas divulgaram as reivindicações aprovadas em Assembleia, no dia 20. Os alunos defendem uma educação pública de qualidade e condições básicas para a manutenção das atividades acadêmicas; se mostram contrários aos cortes de verba destinados à educação; pedem o reconhecimento  da legitimidade da greve dos servidores técnico-adminitrativos e professores e a necessidade de politicas que assegurem a permanência dos estudantes, como alimentação, bolsas, Biblioteca, creches e moradia.

Em relação às medidas de permanência estudantil reivindicadas pelos alunos, a Reitoria da UFSC reafirmou que não houve qualquer redução ou corte de bolsas e benefícios. Segundo a nota, divulgada pelo Blog da Gestão, todos os benefícios de assistência estudantil estão sendo pagos no prazo regulamentar e os editais  de Renovação da Bolsa Estudantil e de Novas Bolsas Estudantis serão publicados no dia 27 deste mês e o Edital de Isenção do Restaurante Universitário dia 29.

info greve

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.