“Eu gosto de pintar gente”

Written by admin on . Posted in Reportagens

Texto e fotos: Natália Huf (natalia.huf@gmail.com)

O Departamento de Letras da Universidade promove a X Semana Acadêmica de Letras com diversas atividades entre palestras e minicursos. Também faz parte da programação a exposição “Retratos efêmeros”, da artista plástica Mônica Priori, com 20 retratos pintados sobre uma tela de jornal.

Mônica é bacharel em Artes Plásticas pela UDESC,  pinta desde 2004 embora já fizesse trabalhos para a graduação e como hobby. Exerceu a profissão de artista por quatro anos e já expôs em Florianópolis, Curitiba, e até mesmo em outros países, como Peru e Alemanha. Os trabalhos em jornal usando o jornal como tela começaram em 2007, e bastante por acaso: usava jornais para fazer os esboços de outras pinturas, e eles acabaram virando a tela pela identificação que a artista sentiu com o suporte. “Por quê eu gosto de pintar em jornal? No começo não sabia muito bem, mas depois percebi que foi pela dinâmica da informação, que é pulsante. Colocar uma imagem no jornal é como focar o turbilhão de informação. As notícias sempre têm a ver com o que eu pinto.”

Em cada obra, sempre há uma narrativa: as pessoas que Mônica retrata são anônimos que ela viu na rua, e que a instigaram a pensar sobre quem seriam, como estariam se sentindo naquele momento. A inspiração da artista vem da obervação da natureza humana. Ela conta que a série “Anônimos”, que também está exposta na Editora da UFSC, surgiu numa tarde em que levou sua filha para brincar e começou a observar as pessoas que a rodeavam.

“Quando você faz arte, você vive arte, tudo o que você vê vira arte.” Para Mônica, o artista é alguém compulsivo, trabalha com duas, três obras ao mesmo tempo — e ela não é diferente. Por isso, embora cada quadro demore entre 20 e 40 dias para ser feito, a produção de uma série de 10 ou 12 quadros, como a “Anônimos”, não é tão demorada quanto parece.

Sem produzir quadros desde 2012, Mônica pretende voltar a pintar ainda este ano: “A vida de artista oscila muito, não é fácil. Precisei me afastar também para ter uma melhor percepção sobre o que eu fazia, entender que a minha arte está completamente relacionada com quem eu sou”.

“Retratos efêmeros” fica em exposição dos dias 06 a 10 de junho, na livraria da Editora da UFSC, no Varandão do bloco A do CCE. A entrada é gratuita.